Pular para o conteúdo

Novo trabalho do Grupo Galpão, “Febre” encerra projeto “Dramaturgias”

    Às voltas com “o fim” de uma época, duas pessoas resolvem sair às ruas para respirar, andar, observar, duvidar e, se possível, antever horizontes. Trata-se do casal que deseja viver as últimas horas dos últimos dias de um mundo, até então, conhecido. Eis o argumento central da narrativa escrita pelo ator e dramaturgo Paulo André, do Grupo Galpão, para o filme “Febre”, cuja estreia nacional ocorrerá no dia 4 de março, às 20h, no canal do Grupo no YouTube. Com texto de Paulo André e direção de Marcio Abreu, a obra fica em cartaz até 13 de março, disponível das 20h às 23h, e encerra o projeto “Dramaturgias – Cinco passagens para agora”, que conta com patrocínio máster do Instituto Cultural Vale e patrocínios da AngloGold Ashanti e do banco BV, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura. O projeto realizou, desde junho de 2021, cinco espetáculos em diferentes formatos nas redes sociais. Integram o elenco de Febre as atrizes e os atores Antonio Edson, Eduardo Moreira, Júlio Maciel, Lydia Del Picchia, Paulo André e Teuda Bara, todos do Grupo Galpão.

    O texto do filme foi escrito por Paulo André no primeiro ano da pandemia, junto ao núcleo de dramaturgia do Galpão Cine Horto, a partir de workshop ministrado pelo ator, dramaturgo, diretor e pesquisador teatral Vinícius de Souza. Trata-se de uma história de um casal – interpretado por três duplas distintas de atores do Grupo, que se revezam ao longo da obra – vive as últimas horas dos últimos dias de um mundo conhecido: assim se dá o começo de tudo. “Durante a escrita, mostrei meu texto a algumas pessoas, entre as quais, Marcio Abreu, que demonstrou muita vontade de dirigi-lo. Ao começarmos o projeto, já como parte da série Dramaturgias – Cinco passagens para agora, comentei sobre a história com o Grupo Galpão, que gostou muito e entrou na proposta”, explica Paulo André.

    Ele destaca, ainda, que se dedicou à escrita no momento da pandemia em que se percebia desiludido e sem perspectivas: “E não apenas devido à pandemia… Escrevi em meio a esse fim de mundo que conhecemos. Era como se tudo estivesse terminando e faltassem poucas horas para tudo acabar. O texto está sempre no escuro, e, ao mesmo tempo, em movimento. As pessoas têm relação muito ativa com esse fim, e não estão em casa se lamentando, chorando o término de uma época. Elas saem para ver algo, pois não têm outra coisa a fazer”. Em resumo, são duas pessoas, sem gênero definido pela narrativa, com atitude muito ativa em relação ao que vivem, pois desejam sair às ruas para ver, andar um pouco. Daí a energia ativa – e nada passiva – da obra em relação ao suposto fim de mundo.

    O nome do filme também remonta às vivências de Paulo André durante a pandemia, apesar de, inicialmente, ele ter cogitado não dar título à obra. “Achava que seria uma boa provocação. Contudo, essa dramaturgia deveria ter sido produzida no ano passado, mas tive Covid e, durante nossas reuniões via Zoom, achei que o texto poderia se chamar ‘Febre’. O nome acabou por direcionar tudo, já que o texto tem a atmosfera de um delírio febril, com muitas reiterações e elipses, além de acontecer de forma frenética. A ideia do nome não só foi um bom achado, como nos ajudou a pensar e a formatar o filme”, afirma.

    No que diz respeito ao formato, Paulo André optou por um grande poema díptico, dividido em duas seções bem distintas. “Sob o ponto de vista formal, a primeira parte se compõe pelo grande poema, enquanto a segunda revela rubricas bem teatrais. Que o diga a cena de um casal dançando certa coreografia de ações cotidianas, dentro de um quarto – algo que, no primeiro movimento, aparece em flashes. Fica subentendido, assim, que o casal da segunda parte pode ser o mesmo. Ou a segunda seria outra dimensão do fim da primeira? Tudo fica como sugestão”, analisa Paulo André, ao destacar, porém, que as conexões entre ambas as seções – aparentemente diferentes na estrutura – estão no emergir, na excitação, na recolocação de temas, nas imagens que aparecem rapidamente e, depois, se fundem.

    A construção do texto e do filme remonta à tradição do Grupo de convocar seus atores e suas atrizes a desafios em áreas para além da atuação. “No Galpão, trabalhamos muito com o esquema do que chamamos de workshop, nos quais somos provocados a também escrever, dirigir, iluminar, fazer figurino, etc. Temos muito estímulo e fazemos um pouco de tudo”, conta Paulo André, ao lembrar as motivações para a criação da escrita de “Febre”, depois estruturada em produto audiovisual, sob direção de Marcio Abreu e assistência de direção de Luiz Felipe Fernandes, da Alicate. Paulo já escreveu outros textos para o Grupo, como “Arande Gróvore” (2008), no projeto Cine Horto Pé na Rua, dirigido pela atriz Inês Peixoto, e “Outros” (2018), junto a Eduardo Moreira e Marcio Abreu.

    Segundo o diretor Marcio Abreu, parceiro do Grupo Galpão desde que dirigiu o espetáculo “Nós” (2016), o novo trabalho conjunto reafirma este “encontro de vida e os vínculos que permanecem, tomam outras formas e geram novas experiências”. Dessa vez, após se comover pelo texto de Paulo André, todo o processo ocorreu de forma natural: “O Galpão me convidou ao projeto ‘Dramaturgias’. Já na primeira reunião online, pedi que não ficássemos na relação virtual, pois, assim como eu, eles haviam feito muitas coisas nas plataformas”.

    Por não ser possível uma peça presencial naquele momento, Marcio Abreu propôs a realização do filme. Assim, a obra não ficaria “no meio do caminho”, e seria possível investir em experiência de linguagem mais profunda, mesmo com as limitações do tempo – tanto para estruturar o roteiro quanto para montar a pré-produção e filmar: “O tempo era muito exíguo, mas havia grande engajamento de todas as pessoas envolvidas, dos atores à fotografia, da produção à assistência de direção e à trilha sonora. O processo foi muito bonito e corajoso!”.

    Apesar de já contar com decupagem prévia nas locações, Marcio conta que muita coisa nova foi criada, a cada momento, a partir da interação com os atores, as atrizes e o restante da equipe. “Foi intenso e estamos muito felizes! Nosso desejo era que tudo fizesse parte de um plano maior. Por isso, considero este experimento audiovisual como um processo apto a se transformar numa peça de teatro presencial. O filme gravado também pode ter outros desdobramentos, acabamentos e etapas de montagem”, explica, ao frisar que o espectador deve esperar uma obra extremamente sensível, conectada à consciência do tempo ora vivido: “É um trabalho com poética singular, texto belíssimo, atores engajados e mergulhados na experiência. Trata-se de experimento de linguagem, como deve ser a criação, quando temos, de fato, vontade de falar com o público, de expandir a vivência artística. Todos podem esperar um trabalho à altura da história do Galpão e dos artistas que compõem o trabalho”.

    Como o texto que dá inspiração ao filme é muito urbano, foi feito um estudo de locações, para construir um percurso dos personagens, numa espécie de fuga. Afinal, eles saem de casa e se deslocam como se tudo estivesse perto do fim. Em outras palavras, as locações foram pensadas segundo temporalidades distintas: o “tempo da fuga” aparece nas externas noturnas, na cidade de Belo Horizonte; o “tempo do sonho”, com imagens estranhas e desconexas, no teatro Marília; já o “tempo da lembrança” se concretiza nas cenas de um sítio, onde se vivem as memórias de um passado feliz. “O filme, na verdade, é o delírio febril de alguém, como se a pessoa tivesse muita febre. Quando estamos assim, deliramos”, diz Marcio Abreu, ao explicar que o filme é resultado do que se passa na mente desse alguém: “Um dos delírios diz respeito à fuga, como se o mundo estivesse acabando e as pessoas fugissem para algum lugar. Ao mesmo tempo, é uma história de amor”, sublinha.

    Neste sentido, o casal tem múltiplas possibilidades: “Sabe quando, num sonho, você diz: ‘Eu estava correndo pela rua, mas, de repente, não era mais eu, mas fulano, e, também era eu? Algo como se a pessoa existisse a partir de várias perspectivas! No filme, recorre-se a uma Belo Horizonte da região central (Centro, Zona Leste e Taquaril), escondida numa cidade grande, na qual passamos e não vemos. Há o olhar para uma urbanidade corroída. Passamos por locações assim, até terminar num lugar mais alto, de onde se vê a metrópole de cima”, conta o diretor. No Teatro Marília, dá-se o espectro de sonho; no sítio, lugar próximo à capital, aparecem, conforme destacado, as cenas relacionadas à memória.

    No que se refere à parceria com Paulo André, o diretor destaca a relação de proximidade com o ator e dramaturgo do Galpão, a quem considera um artista extraordinário. “Nos processos que criamos juntos, desenvolveu-se uma amizade artística e de vida, assim como em relação a todos do Galpão. Também é um prazer ver o Paulo André em cena, construindo junto aos outros. Por isso, não quis abrir mão da atuação dele, autor do texto, no filme”, conclui.

    Sobre o ator e dramaturgo ator Paulo André

    Nasceu em Itabirito, Minas Gerais, em 24 de fevereiro de 1963. Em 1983, iniciou suas atividades no teatro em Belo Horizonte.  Em abril de 1994, foi convidado pelo Grupo Galpão para fazer a assistência de direção na montagem de “A Rua da Amargura”, mas Gabriel Villela o convocou imediatamente para o elenco do espetáculo.

    Desde então, integra o grupo, tendo participado de todas as montagens da cia, não apenas como ator, mas também na assistência de direção, dramaturgia e figurino. No cinema, entre outras produções, fez “A Fronteira”, de Rafael Conde (2006), “Tricoteios”, curta-metragem dirigido por Eduardo Moreira e Rodolfo Magalhães (2007), “Moscou”, de Eduardo Coutinho (2009), “O Homem das Multidões”, de Marcelo Gomes e Cao Guimarães (2013), “Joaquim”, de Marcelo Gomes (2017), “Luna”, de  Cris Azzi (2019), “Cidade Pássaro”, de Matias Mariani (2020).

    Sobre o diretor Marcio Abreu

    Ator, diretor e dramaturgo, natural do Rio de Janeiro. Sua formação tem passagens pela EITALC (Escola Internacional de Teatro da América Latina e Caribe e pela ISTA (Escola Internacional de Antropologia Teatral). Nos anos 1990, em Curitiba, fundou o Grupo Resistência de Teatro, com o qual trabalhou por seis anos. Diretor da Companhia Brasileira de Teatro, sediada em Curitiba, desenvolve pesquisas e processos criativos em intercâmbio com artistas de várias partes do país e também de outros países. Entre os seus trabalhos mais recentes estão: “Esta Criança”, coprodução com a atriz Renata Sorrah, direção (2012). Ainda em 2012 escreveu uma adaptação de “Os três Porquinhos” para a Commedie Française, em Paris, e escreveu a peça L’histoire du rock par Raphaelle Bouchard, em Gap e Limoges, na França, ambas dirigidas pelo francês Thomas Quillardet. No mesmo ano foi escolhido como personalidade teatral do ano pelo jornal Folha de São Paulo. Recebeu o Prêmio SHELL RJ de melhor direção pelo espetáculo Esta criança. Em 2013 colaborou na direção da peça Cine Monstro, de Daniel MacIvor, dirigida e interpretada por Enrique Diaz. Em 2015 dirigiu KRUM de Hanock Levin numa segunda parceria de produção com a atriz Renata Sorrah. Em 2016, dirigiu o Grupo Galpão no espetáculo NÓS, texto escrito em parceria com Eduardo Moreira e, em 2018, a peça Outros, também do Grupo, em parceria com Eduardo Moreira e Paulo André. Em 2017 coordenou e dirigiu o projeto PRETO da Companhia Brasileira de Teatro, em parceria com a atriz e dramaturga Grace Passô e com a atriz Renata Sorrah. Em 2019 dirigiu o espetáculo “Por que não vivemos?”, da Companhia Brasileira de Teatro”. Em 2021 Marcio escreveu e dirigiu a peça “Sem Palavras”, que teve sua estreia na Europa. Orienta regularmente desde os anos 1990, oficinas, cursos, seminários e palestras relacionados ao trabalho do ator e à criação dramatúrgica.

    Sobre o “Dramaturgias – Cinco passagens para agora”

    O projeto “Dramaturgias – Cinco passagens para agora”, realizado pelo Grupo Galpão, de junho de 2021 a março de 2022, convidou dramaturgos e diretores nacionais de grande destaque a desenvolver trabalhos coletivos. Entre os artistas convidados, estão nomes como Yara de Novaes, Newton Moreno, Marcio Abreu, Pedro Brício e Silvia Gomez. A escolha dos parceiros permitiu ao grupo compor um significativo painel das artes e da cultura brasileiras, por meio da exploração dos mais diferentes tipos de expressão. Além dos artistas convidados, alguns integrantes do Galpão também assinaram dramaturgias e direções. O Grupo lançou, em outubro, o curta-metragem “A primeira perda da minha vida”, com direção de Inês Peixoto e roteiro de Eduardo Moreira.  A atriz Fernanda Vianna dividiu com Clarissa Campolina a direção da dramaturgia de Silvia Gomez, “Partida de vôlei à sombra do vulcão”, no mês de dezembro. O ator Paulo André é responsável pela dramaturgia do filme “Febre”, em parceria com Marcio Abreu, que assina a direção, com estreia em 2022.

    Grupo Galpão

    Criado em 1982, o Grupo Galpão tem sua origem ligada à tradição do teatro popular e de rua. Há quase 40 anos desenvolve um teatro que alia rigor, pesquisa e busca de linguagem, com montagem de peças que possuem grande poder de comunicação com o público. Formado por atores que trabalham com diferentes diretores convidados – como Gabriel Villela, Cacá Carvalho, Paulo José, Yara de Novaes e Marcio Abreu (além dos próprios componentes que também já dirigiram espetáculos do Grupo) – o Galpão formou sua linguagem artística a partir desses encontros diversos, criando um teatro que dialoga com o popular e o erudito, a tradição e a contemporaneidade, o teatro de rua e o palco, o universal e o regional brasileiro.

    Ficha técnica do filme “Febre”

    ELENCO 

    Antonio Edson

    Eduardo Moreira

    Júlio Maciel

    Lydia Del Picchia

    Paulo André

    Teuda Bara

    EQUIPE

    Direção – Marcio Abreu

    Texto – Paulo André

    Roteiro – Luiz Felipe Fernandes, Marcio Abreu e Paulo André

    Direção de Produção – Gilma Oliveira

    Produção Executiva – Beatriz Radicchi

    Fotografia – Alexandre Baxter

    Fotografia 2ª unidade – Luiz Felipe Fernandes

    Arte – Paulo André

    Montagem – Luiz Felipe Fernandes

    Trilha sonora original – Davi Fonseca

    Desenho de som – Flora Guerra e Davi Fonseca

    Som direto – Flora Guerra

    Iluminação – Rodrigo Marçal

    Elétrica – José Neves e Rodrigo Marçal

    Colorização e efeitos – Paulo Assumpção

    Finalização de áudio – Flora Guerra

    Assistente de direção – Luiz Felipe Fernandes

    Assistente de câmera – Daniel Smith e Walfried Weissmann

    Assistente de arte – Gilma Oliveira

    Assistente de produção – Lica Del Picchia

    Assistente técnico – William Teles

    Apoio técnico – Welinton Vieira Martins e Warley Vieira Martins Junior

    Comunicação – Fernando Dornas, Letícia Leiva e Matheus Carvalho

    Assessoria de Imprensa – Polliane Eliziário (Personal Press)

    Identidade visual – Filipe Lampejo e Rita Davis

    Edição de vídeos de divulgação – Matheus Gepeto

    Still – Fernando Lara

    Produção – Grupo Galpão

    Co-produção – Alicate

    “FEBRE” foi produzido considerando medidas de segurança em função da pandemia de COVID-19.

    GRUPO GALPÃO

    ATORES

    Antonio Edson – Arildo de Barros – Beto Franco – Chico Pelúcio – Eduardo Moreira – Fernanda Vianna – Inês Peixoto – Júlio Maciel – Lydia Del Picchia – Paulo André – Simone Ordones – Teuda Bara

    EQUIPE

    Gerente Executivo – Fernando Lara

    Coordenadora de Produção – Gilma Oliveira

    Coordenador de Comunicação – Fernando Dornas

    Coordenadora Administrativa – Wanilda D’Artagnan

    Coordenadora de Planejamento – Alba Martinez

    Coordenador Técnico – Rodrigo Marçal

    Produtora Executiva – Beatriz Radicchi

    Comunicação on-line – Letícia Leiva e Matheus Carvalho

    Assistente de Produção – Lica Del Picchia

    Assistente Financeiro – Cláudio Augusto

    Serviços Gerais – Danielle Rodrigues

    Assessor Contábil – Wellington D’Artagnan

    Gestor Financeiro de Projetos – Artmanagers

    Lei Federal de Incentivo à Cultura | Patrocínio máster: Instituto Cultural Vale | Patrocínio: AngloGold Ashanti, banco BV| Realização: Secretaria Especial de Cultura, Ministério do Turismo, Governo Federal, Pátria Amada Brasil.

    Rate this post