Pular para o conteúdo

Memorial Instrumental traz o Assanhado Quarteto com show de choro neste domingo

O grupo Assanhado Quarteto apresenta, dentro do projeto Memorial Instrumental, o show do novo CD Jararaca, que traz as várias influências do grupo durante seus 10 anos de trajetória. Formado por André Milagres (violão de sete cordas e guitarra), Lucas Ladeia (cavaco), Rodrigo Boi Magalhães (baixo elétrico e acústico) e Rodrigo Picolé (bateria e vibrafone), o grupo se apresenta no domingo, 26 de junho, às 11h, no Memorial Vale. Os ingressos devem ser retirados uma hora antes do evento ( no máximo um par por pessoa).

O Memorial Vale, um dos espaços culturais do Instituto Cultural Vale, fica na Praça da Liberdade, em Belo Horizonte, e tem entrada gratuita.

O Assanhado Quarteto surgiu a partir de uma proposta coletiva de execução do repertório de choro com uma formação um tanto inusitada: utilizam instrumentos como o baixo-acústico, a bateria, a guitarra e o vibrafone somados ao violão de sete cordas e cavaquinho, já comuns ao gênero. Com 10 anos de atuação e dois discos lançados (“Feira”, 2015 e “Jararaca”, 2021), o som diverso do Assanhado é hoje uma referência para o choro feito em Minas Gerais. O grupo tem se apresentado em diversas cidades do Brasil e do mundo (Lisboa, Porto, Paris, Melbourne e Sydney) e recebido alguns dos mais importantes prêmios destinados à música instrumental no país.

Em seu segundo disco, “Jararaca”, lançado em 26 de setembro de 2021, o quarteto contou com a produção de Rafael Martini e a participação de grandes músicos brasileiros, como Bebê Kramer (RS), Carol Panesi (RJ/SP), Gabi Guedes (BA), Paulo Fróis (MG), além do próprio Rafael Martini. Como o bicho, o disco “Jararaca” tem feições variadas, assumindo diferentes roupagens e dialogando com estéticas múltiplas, sem perder a essência de seus brasileirismos.

O Memorial Instrumental, realizado mensalmente pelo Memorial Minas Gerais Vale desde fevereiro de 2020, tem curadoria de Juliana Nogueira. Ela é produtora cultural há mais de 25 anos. Atua na cena cultural de BH com projetos dedicados à música instrumental e  produções com atuação de profissionais femininas. É também uma das idealizadoras, criadoras e produtoras do Festival Baderna, realizado somente por mulheres.

Serviço: Memorial Minas Gerais Vale 

Endereço: Praça da Liberdade, nº 640, esquina com Rua Gonçalves Dias, Savassi 

Funcionamento – Terça, quarta, sexta e sábado: das 10h às 17h30, com permanência até as 18h.

Quinta, das 10h às 21h30, com permanência até as 22h.

Domingo, das 10h às 15h30, com permanência até as 16h

Memorial Minas Gerais Vale

O Memorial Minas Gerais Vale, um dos espaços culturais do Instituto Cultural Vale, já recebeu mais de 1,1 milhão de pessoas, de todos os lugares do Brasil e de outros continentes. São mais de 1.600 eventos realizados e cerca de 200 mil pessoas em visitas mediadas. Integra o Circuito Liberdade, em Belo Horizonte, um dos maiores complexos de cultura do Brasil. Caracterizado como um museu de experiência, com exposições que utilizam arte e tecnologia de forma intensa e criativa, é um dos vencedores do Travellers’ Choice Awards do TripAdvisor. Na curadoria e museografia de Gringo Cardia, cenários reais e virtuais se misturam para criar experiências e sensações que levam os visitantes do século XVIII ao século XXI. Mais que um espaço dedicado às tradições, origens e construções da cultura mineira, o Memorial é um lugar de trânsito e cruzamento entre a potência da história e as pulsações contemporâneas da arte e da cultura, onde o presente e o passado estão em contato direto, em permanente renovação. É vivo, dinâmico, transformador e criador de confluências com artistas independentes e com diversos segmentos da cultura mineira.

Circuito Liberdade 

O Memorial Minas Gerais Vale é integrante do Circuito Liberdade, complexo cultural sob gestão da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult) e que reúne diversos espaços com as mais variadas formas de manifestação de arte e cultura em transversalidade com o turismo. Trabalhando em rede, as atividades dos equipamentos parceiros ao Circuito buscam desenvolvimento humano, cultural, turístico, social e econômico, com foco na economia criativa como mecanismo de geração de emprego e renda, além da democratização e ampliação do acesso da população às atividades propostas.

Nancy Dasa

Nancy Dasa

Apaixonada por Belo Horizonte, mãe de duas meninas maravilhosa e esposa! Bacharelada em Contabilidade. Produtora de conteúdos digitais e redatora web.

Você também pode gostar ↓↓↓