FÉRIAS PARA BRINCAR E TER MAIS CONHECIMENTO NO MEMORIAL VALE

/

Janeiro no Memorial Vale é tempo de férias com programação especial para crianças, com shows de mágica, teatro, oficinas de contação de histórias e para movimentar o corpo e fazer baobás e carrancudas, criações inspiradas nas carrancas do rio São Francisco. O show do Trem Tan Tan, no dia 31 de janeiro, apresenta ao público a diversidade e a riqueza da arte feita pelos integrantes da luta antimanicomial. As apresentações continuam online, seguindo o planejamento do #MemorialValeEmCasa, feitas pelo Youtube. Estão também disponíveis nas redes sociais do espaço (facebook e instagram) e no site. As transmissões feitas pelo Youtube ficam disponíveis permanentemente no canal do Memorial.

 

A reflexão sobre temas da cultura de Minas Gerais também estará presente em três exposições que serão discutidas em lives nos dias 12, 19 e 26 de janeiro: “NGomas: Saravano Tambus, peço licença pra meu canto firmá”, de Ridalvo Félix, “Entramos nesta casa com a Bandeira na frente”, de Bárbara Mançanares e “Coleções de Passagem”, de Fernanda Coimbra. As três são parte do projeto Novos Pesquisadores, que visa trazer pesquisas acadêmicas para serem expostas dentro do museu.

 

12/01, 19/01 e 26/01 – LIVES DO PROJETO “DIÁLOGOS COM NOVOS PESQUISADORES”

O Educativo do Memorial Minas Gerais Vale propõe, nos dias 12, 19 e 26 de janeiro, de 17h às 18 horas, no canal do YouTube, uma série de lives intitulada “Diálogos com Novos Pesquisadores”. Elas fazem parte do projeto Novos Pesquisadores, cujo propósito é transformar teses e dissertações defendidas nos últimos cinco anos, na área das Ciências Humanas em uma exposição museal. No dia 12/01 a live será com Ridalvo Félix, que falará da sua pesquisa de doutorado que resultou na exposição “Ngomas: Saravano Tambus, Peço Licença Pro Meu Canto Firmá”. Essa live contará com a participação do Capitão David, falando um pouco sobre o candombe mineiro. No dia 19/01 é a vez de Bárbara Mançanares falar da exposição “Entramos Nessa Casa Com a Bandeira na Frente”, na qual ela traz para o museu a Festa do Divino de São Bartolomeu; e, por fim, no dia 26/01, Fernanda Coimbra falará sobre a exposição “Coleções de Passagem”, na qual ela analisa a coleção de Milton Ferreira. As lives terão tradução ao vivo em libras.

 

16/01 – SHOW DE MÁGICA “MAGIA & ILUSÃO”, COM A FAMÍLIA KRADYN

No dia 16 de janeiro, às 15 horas, a Família Kradyn apresenta o espetáculo “Magia & Ilusão”, fruto de uma coletânea de efeitos mágicos que ao longo de anos foram feitos em seus shows. Um espetáculo alegre e divertido recheado de lenços coloridos, água, jornal, papel mesclado com um tema musical vibrante e muito humor indicado para todas as idades. A apresentação integra o projeto “Eu, Criança, no Museu!” do Memorial Vale.

 

Durante 45 minutos de apresentação, a Família Kradyn transporta o público literalmente ao mundo da Magia & Ilusão com efeitos mágicos de prender o fôlego. Com seu fictício e inesgotável baú de ilusões, a Família Kradyn convida todos os participantes a voltarem no tempo e novamente serem crianças, pois o impossível vai se tornar possível e a fantasia passa a comandar a festa nesse reino mágico. Um espetáculo para adultos e crianças se deliciarem e vivenciarem o mundo do faz de conta, das fadas e dos duendes diante de todos.

 

A Família Kradyn é um grupo de mágicos de Minas Gerais formada pelo casal Cláudio Medina (Kradyn) e Eliana Medina e pelos filhos Carol e Cláudio. Se apresentam por todo o Brasil. “Somente nos últimos 2 anos realizamos perto de 250 shows e fomos assistidos por mais de 70 mil pessoas em nossas apresentações ao vivo em teatros, escolas, shoppings, clubes, creches, asilos, residências, praças públicas … Nosso show trabalha com música, diálogos humorados e mensagens positivas. Muito colorido e alto astral”, fala Kradyn.

 

26 a 29/01 – CONTAÇÃO DE ESTÓRIA “SEU DAZIM CONTA..”, COM KEU FREIRE

Nos dias 26, 27, 28 e 29 de janeiro, às 11 horas, o Memorial Vale apresenta o espetáculo de contação de estória “Seu Dazim Conta…”, com Keu Freire. Será um convite a uma boa prosa sobre lendas brasileiras. Um cafezim, um queijo dos bons, uns minutim de conversa, música com viola caipira e pronto! Seu Dazim propõe que o público embarque junto a ele nas lendas brasileiras e nos mais curiosos causos de que já se ouviu falar. O evento integra o projeto “Eu, Criança, no Museu!” do Memorial Vale.

 

Keu Freire é ator, diretor, professor e produtor teatral formado no Teatro Universitário da UFMG (2011) e graduado pelo curso de Licenciatura em Teatro da UFMG. É membro fundador da Insensata Cia. De Teatro; idealizador, coordenador geral e integrante da equipe de Curadoria do FeNAPI (Festival Nacional de Arte para as Infâncias), além de ter idealizado e coordenado a 1ª e 2ª Mostra InMinas de Teatro.

 

31/01 – TREM TAN TAN: SAMBABILOLADO E TREM NEGREIRO

No dia 31 de janeiro, às 16 horas, o Memorial Vale traz o grupo Trem Tan Tan para apresentar o show “Sambilolado e Trem Negreiro”. Será uma síntese dos últimos trabalhos produzidos pelo coletivo, um repertório recheado de sambas reflexivos, românticos, funk, samba rock e outros que fazem denúncias sociais dos preconceitos vividos pelo cidadão com sofrimento mental. A apresentação integra o projeto “Gerais Cultura de Minas” do Memorial Vale.

 

O grupo musical Trem Tan Tan tem duas décadas de trajetória artística. É formado por um coletivo de compositores portadores de sofrimento psíquico. Nascido nas oficinas dos Centros de Convivência Venda Nova e Providência, dispositivos da Política de Saúde Mental de Belo Horizonte, o coletivo propõe a inserção social, o resgate de cidadania do cidadão com sofrimento psíquico e o tratamento em liberdade em uma rede de serviços substitutivos ao manicômio. O nome Trem Tan Tan também é o título de uma música criada pelo grupo e faz referência aos trens que, na década de oitenta, levavam loucos de hospícios públicos de Belo Horizonte para o grande manicômio da cidade de Barbacena. O coletivo Trem Tan Tan é o primeiro grupo vinculado à saúde mental em BH a ter um registro fonográfico, a realizar um show em teatro, assim como a realização do DVD, que propõe um registro sonoro das histórias de vida e inclusão, mostrando sua irreverência e criatividade associados ao discurso a favor da liberdade, da sustentabilidade e de uma Sociedade sem Manicômios. O coletivo coleciona em sua trajetória artística dois Cds (Trem Tan Tan e Sambabilolado), além de ter participado em importantes eventos na cidade e outros estados, acumulando em sua história um conjunto de premiações.

 

FÉRIAS DIVERTIDAS

 

17/01 e 24/01 – VAMOS FAZER DINOSSAUROS?

Nos dias 17 e 24 de janeiro, às 10 horas, o músico e produtor de vídeos João Mota vai ensinar a fazer dinossauros. Você sabia que o território de Minas Gerais muito tempo atrás foi ocupado por dinossauros? Um deles é o Trigonosaurus, que viveu há 70 milhões de anos na região hoje conhecida como Triângulo Mineiro. Os fósseis do Trigonosaurus foram encontrados nos anos 1940. Ele tinha a altura de um elefante e 12 m de comprimento, era herbívoro e pesava 10 toneladas! Que tal aprender a fazer esse dinossauro utilizando materiais descartáveis? João ensinará a fazer o Trigonosaurus e também o famoso Tricerátops que viveu nos Estados Unidos.

 

“Com a chegada dos meus filhos, descobri que além de brincar, eu gostava ainda mais de inventar os brinquedos e as brincadeiras com e para eles. Tudo o que faço pode ser feito por qualquer pessoa que se disponha a se levar pelo desejo criativo que todos temos. Não é preciso ter muita habilidade, apenas planejamento! Eu penso que todo projeto é importante e especial. Nada se compara quando temos aquele brinquedo nas mãos. A arte tem sempre um jeito de melhorar nossos dias, e eu conto muito com isso!” fala João Mota, o professor.

 

18/01, 20/01, 22/01, 25/01 e 27/01 – DEIXA QUE A GENTE CONTA

Nos dias 18, 20, 22, 25 e 27 de janeiro, das 16h às 17h30, o artista-pesquisador Raysner de Paula fará a oficina “Deixa que a Gente Conta”, para crianças de 6 a 11 anos. Será um espaço de invenção e contação de histórias, protagonizado por diferentes crianças, onde elas mesmas vão criar, contar, recontar diversas narrativas num encontro criativo de partilha e de escuta, feito pelo Google Meet. As turmas terão até 15 crianças e será necessário inscrição prévia pelo telefone (31) 3343-7317.

 

Durante o tempo no qual crianças e o artista estiverem juntos serão criadas e performadas diferentes histórias, situações, diálogos e personagens, a partir de diversos “pontos de partida”. Assim, ao longo da ação, as crianças experimentarão diferentes jogos e brincadeiras nos quais ocuparão os lugares de criadores, narradores e ouvintes de narrativas surgidas nos encontros.

 

21/01 e 28/01 – CORPO EM MEMÓRIA

Nos dias 21 e 28 de janeiro, de 10h às 12 horas, Fernanda Signorini fará a oficina “Corpo em Memória”, que propõe o início de uma autoinvestigação pessoal a partir das memórias armazenadas no corpo. Os exercícios são baseados na metodologia Corpo Alquímico, com referência no teatro, na dança e nas psicoterapias corporais, em que a proposta é que todas as pessoas possam vivenciar o trabalho corporal como parte primordial para a saúde e o bem-estar de maneira integral. Os encontros serão on-line pela plataforma Google Meet. Serão 20 vagas por turma, com idade a partir de 16 anos e é necessário se inscrever pelo telefone (31) 3343-7317.

 

“Já é sabido que no corpo estão inscritas todas as nossas memórias, e essa é uma proposta para se autoperceber e reconhecer o reflexo da nossa história e como ela interage em nosso corpo físico, mental e emocional. Por meio de uma sequência de práticas vamos aguçando as lembranças e estimulando a nossa capacidade de sentir, abrindo a escuta de um corpo vivo para identificar e acolher nossa expressão autêntica”, fala Fernanda Signorini.

 

23/01 – CARRANCUDAS

Dia 23 de janeiro, às 10 horas, a artista Júlia Mendes vai ensinar a fazer carrancas com a oficina Carrancudas, personagens inspiradas nas carrancas de Minas Gerais.. Usando massinha caseira e objetos diversos encontrados pela casa, cada um poderá cria sua carrancuda, personagem-objeto com poder de proteção. Cria-se primeiro a base de massinha caseira. Modela-se uma esfera, e então é hora de enfeitar com o que se tem: botões, folhas, galhinhos, trecos, miudezas, pedaço de coisa, macarrão, flor seca, tampinha, brinco sem par… “Vinda das águas do São Francisco, essa prima das carrancas é poderosa. Com sua esquisitice, afasta de casa os maus espíritos, os pesadelos e olho gordo”, diz Júlia Mendes.

 

23/01 – MEU BAOBÁ

Dia 31 de janeiro, às 10 horas, o Educativo do Memorial Vale convida as crianças a conhecerem um pouco da história do Embondeiro, curiosa e muito simbólica árvore na cultura africana e afrobrasileira, conhecida como Baobá, árvore da vida ou árvore do conhecimento. A oficina, num vídeo apresentado de forma lúdica, propõe ao público soltar sua criatividade para montar sua versão de um mini Baobá, que será disponibilizado para download no site do Memorial.

 

 

EXPOSIÇÕES EM ANDAMENTO

 

ATÉ 15/01 – EXPOSIÇÃO “CIRCO IMAGÉTICO – TRAPÉZIO – CHICA DA SILVA”

Até o dia 15 de janeiro o Memorial Vale mostra em seu site a exposição “Circo Imagético – Trapézio – Chica da Silva”, série de registros fotográficos de uma cena circense de trapézio inspirada em Chica da Silva. A trapezista e idealizadora da exposição é Liz Monteiro e a fotógrafa é Ananda Rangel. A exposição integra o projeto “Mostra de Fotografias”, do Memorial Vale.

 

A montagem e a documentação das imagens foi feita em Milho Verde, distrito de Serro (MG), cidade onde nasceu Chica da Silva. Por meio do trapézio, Liz Monteiro retrata Chica da Silva, essa grande personalidade histórica que se tornou um símbolo cultural do Brasil.

 

Liz Monteiro é artista circense com formação pela Spasso – Escola Popular de Circo de Belo Horizonte (2012). Em sua trajetória, fez parte da equipe de alguns circos sociais em Minas Gerais e no Rio de Janeiro. Entre eles, Circo da Gente Ouro Preto (MG) e Crescer e Viver (RJ). Já se apresentou em importantes festivais e convenções de circo pelo Brasil, Argentina e Chile. Atualmente é fundadora, artista e professora no projeto Circo Verde em Milho Verde (MG).

 

ATÉ 17 DE JANEIRO – MOSTRA PERFORMÁTIKA DE NOAH MANCINI

O Memorial Vale apresenta a Mostra Performátika de Noah Mancini. Nascido em Juiz de Fora, Noah Mancini é artista multimídia, curador e crítico. Ele fez uma seleção de artistas do corpo, naturais e/ou residentes em Minas Gerais que apresentam trabalhos cheios de poéticas autobiográficas, que evocam questões místicas, étnicas e identitárias. Os trabalhos estão em vídeo e fotografia. Os vídeos estão no YouTube do Memorial Vale, e as fotografias ficarão até o dia 17 de janeiro no site do museu. Integra o projeto “Contemporâneo” do Memorial Vale.

 

ATÉ 22 DE JANEIRO – EXPOSIÇÃO “BRUMA”, DE ANGELO MAZZUCHELLI

Até 22 de janeiro o Memorial Vale exibe no site a exposição “Bruma” do artista plástico Angelo Mazzuchelli, que produziu uma série de fotografias tratadas digitalmente. Registram uma modelo usando uma peça em papel denominada véu tipográfico. A repetição da palavra bruma gera uma padronagem que forma o véu. A referência visual são antigos cartões postais fotográficos. A exposição integra o projeto “Mostra de Fotografias”, do Memorial Vale.

 

Angelo Mazzuchelli, de BH, é artista plástico e professor associado do Departamento de Desenho da Escola de Belas Artes da UFMG. Pesquisa e produz trabalhos que exploram a dimensão visual da escrita.

 

Até 31 DE JANEIRO – EXPOSIÇÃO “ENTRAMOS NESTA CASA COM A BANDEIRA NA FRENTE”

Até 31 de janeiro o Memorial Vale exibe a exposição “Entramos nesta casa com a Bandeira na frente”, de Bárbara Mançanares. Em sua pesquisa de mestrado, Bárbara estudou a Festa do Divino de São Bartolomeu, distrito de Ouro Preto. O estudo foi documentado em fotografias e outros materiais que mostram a Festa do Divino e suas diversas leituras possíveis, articulando religiosidade e manifestações do sagrado com patrimônio e museu, colocando o distrito de São Bartolomeu como um museu à céu aberto, e a Festa do Divino, como acervo performático. A exposição integra o projeto Novos Pesquisadores do Educativo do Memorial Vale; tem curadoria de Mário Cleber Lanna, professor do Departamento de História da PUC Minas e estará em exibição no site www.memorialvale.com.br.

 

Até 31/01 – EXPOSIÇÃO NGOMAS: SARAVANO TAMBUS, PEÇO LICENÇA PRA MEU CANTO FIRMÁ, POR RIDALVO FÉLIX

Até o dia 31 de janeiro o Memorial Vale apresenta a exposição “NGomas: Saravano Tambus, peço licença pra meu canto firmá”, de Ridalvo Félix. Ngoma, termo encontrado na língua kimbundo, significa tambor. É utilizado nas tradições afro-brasileiras de matrizes Bantu para se referir aos tambores e às expressões de cantantes dançantes. O tambor é feito de tronco de árvore escavado, coberto com pele de animal, e sua afinação é realizada numa fogueira. Aqui, os ngomas confluem expressões que matizam e geram cantos dançados. A intenção dessa expografia (e afrografias) é entoar os constructos sistêmicos e epistêmicos a partir das Famílias de Ngomas dos Candombes mineiros, em que as espirais do tempo/espaço traduzem modos de ser/estar em cada uma delas. O evento faz parte do projeto Novos Pesquisadores do Educativo do Memorial Vale.

 

ATÉ 28/02 – EXPOSIÇÃO “COLEÇÕES DE PASSAGEM”, DE FERNANDA COIMBRA

Até o dia 28 de fevereiro o Memorial Vale exibe em seu site a exposição “Coleções de Passagem” desenvolvida a partir da pesquisa de mestrado da artista visual Fernanda Coimbra. O trabalho consistiu na análise do processo de construção de coleções pessoais, tendo como objeto de estudo a casa do colecionador Milton Ferreira, localizada na cidade de Arcos, em Minas Gerais. A residência abriga diversas coleções relacionadas à memória pessoal do colecionador, remetendo também a uma memória coletiva da família e dos moradores de sua cidade natal, Arcos. Integra o projeto Novos Pesquisadores, do Educativo do Memorial Vale.

  • Facebook
  • Twitter
  • Linkedin
  • Pinterest
This div height required for enabling the sticky sidebar