Pular para o conteúdo

Com artistas de Minas e Pernambuco, documentário “Confluências Sonoras” estreia dia 30 de março

    Fotos: Flávia Mafra

    O projeto Confluências Sonoras surgiu do desejo de estreitar distâncias artísticas entre Minas Gerais e Pernambuco pela música autoral contemporânea produzida nos dois estados. O resultado foi uma imersão dos seis músicos, 3 mineiros e 3 pernambucanos, ao longo de cinco meses, e o desdobramento é o documentário homônimo que será lançado no próximo dia 30 de março e contou com a direção de Rodrigo Piteco (Lava) em plataforma digital gratuita.

    Ao todo, o projeto reuniu 3 mineiros – Julia Branco, Sérgio Pererê e Juliana Floriano – e 3 pernambucanos – Juliano Holanda, Flaira Ferro e Almério – que trocaram experiências e compartilharam canções em meio à pandemia, traçando uma nova trajetória afetiva e musical. As interações entre os artistas transcorreram de forma tão coesa e orgânica que até mesmo uma nova composição surgiu, ultrapassando o escopo do projeto original. Julia Branco e Juliano Holanda criaram a canção “Luz e Lugar” ao longo de seus encontros em 2021.

    Juliano Holanda, cantor, compositor e produtor musical de destaque em Pernambuco, é o responsável pela direção musical do projeto. Ele pondera: “O processo é o grande lance desse projeto. Não apenas o resultado. Eu compus uma música com a Julia Branco, que está no repertório do filme e tivemos a felicidade dessa música ser gravada por Titane, que já é um desdobramento dessa sinergia que aconteceu”.

    O projeto se desenvolveu da seguinte maneira: em um primeiro momento, os encontros foram realizados de forma virtual em 2020 e ao longo do primeiro semestre de 2021. As conversas e apresentações musicais proporcionaram momentos emocionantes e de muita potência nessas ocasiões e apontam o que estava por vir.

    No segundo semestre de 2021, aconteceram os encontros presenciais cujas performances e interações entre os artistas dão origem ao documentário. As gravações ocorreram tanto em Belo Horizonte quanto em Recife.“Confluências Sonoras” reúne imagens exclusivas das gravações dessas músicas, algumas conversas e depoimentos durante o processo em estúdio. “No estúdio vamos conseguir sentir a presença física do outro, da sua voz e de sua proposta” – reflete Juliana Floriano, artista idealizadora do projeto.

    Uma prévia do intercâmbio entre os artistas e do documentário será realizada em formato de live pelo Instragram do projeto (instagram.com/confluenciassonoras) no próximo dia 24 de março (quinta-feira), às 19h. O encontro será um bate-papo descontraído com todos os músicos e com foco nos processos vivenciados nos encontros e curiosidades.

    O Confluências Sonoras é uma iniciativa realizada com recursos da Lei Municipal de Incentivo à Cultura de Belo Horizonte e tem patrocínio do Centro Universitário de Belo Horizonte (UniBH).

    Os Artistas

    Julia Branco (MG)

    Cantora, compositora e atriz, Julia Branco obteve grande destaque com seu primeiro álbum, “Soltar os Cavalos” (2018).  Destaque em diversas listas e jornais de grande relevância, o disco foi premiado como o melhor álbum de 2018 pelo Prêmio Flávio Henrique [BDMG Cultural], um dos mais importantes em Minas. Julia tem despontado como um dos nomes mais fortes de sua geração com sua música guiada pela palavra e por uma forte conexão com o universo das mulheres. Nesse momento, ela se prepara para gravar seu segundo álbum.

    Juliana Floriano (MG)

    Juliana Floriano atua como cantora, compositora, instrumentista, atriz e artista plástica. Iniciou seus estudos musicais em 2000 e desde então segue pesquisando a musicalidade da cultura brasileira e latina e aperfeiçoando técnicas de canto. Além disso, é vocalista da Banda Mula e membro do Bloco Alcova Libertina. Também atua como multi-artista e pesquisadora das artes plásticas, da cultura popular e sua musicalidade e na consolidação de seu trabalho autoral, dedicando-se à composição, ao canto e parcerias.

    Sérgio Pererê (MG)

    Sérgio Pererê é cantor, compositor e multi-instrumentista e conta com onze álbuns lançados e várias canções gravadas por grandes intérpretes da música brasileira. Iniciou sua carreira ao lado do Grupo Tambolelê, onde a principal característica era o forte toque das percussões mineiras no registro de ritmos afro-mineiros. Sua música o levou a diversos países do mundo. Em 2016, Sérgio foi selecionado para participar do documentário “DNA África” que conta a história de cinco cidadãos comuns que descobrem suas origens no continente africano.

    Flaira Ferro (PE)

    Flaira Ferro é cantora, compositora, dançarina e educadora. Nascida em Recife, ingressou na vida artística na infância através do frevo e foi aluna do lendário mestre Nascimento do Passo na Escola Municipal de Frevo do Recife. Em 2015, estreou como cantora e compositora em seu primeiro disco de música autoral, “Cordões Umbilicais”; em 2019 lançou o segundo álbum: “Virada na Jiraya”. Além da forte relação com os palcos, Flaira ministra cursos de imersão artística e desenvolve pesquisas que unem arte, educação e consciência social.

    Juliano Holanda (PE)

    Juliano Holanda é um dos artistas contemporâneos de destaque em Pernambuco. Arranjador, compositor, cantor e multi-instrumentista, Juliano Holanda tem três discos solo gravados, além de dezenas de parcerias com jovens e experientes artistas da música brasileira contemporânea. Projetou-se para todo o Brasil em 2015, quando assinou a trilha sonora da minissérie “Amorteamo”, da TV Globo. Reúne no currículo direção musical de mais de 50 discos de variados artistas, além de muitos palcos pisados. Entre seus trabalhos mais recentes estão composições em parceria com Zélia Duncan, que formam “Pelespírito” (2021), novo álbum da cantora; e a direção musical do disco “Da Gente”, de Simone, lançado neste março de 2022.

    Almério (PE) 

    Almério iniciou sua carreira em 2003 cantando em bares e atuando em espetáculos teatrais em Caruaru, no agreste de Pernambuco. A teatralidade exuberante faz parte de seu estilo de performance em shows. Seu segundo disco “Desempena” lhe rendeu o prêmio de Cantor Revelação no Prêmio da Música Brasileira 2018. O álbum circulou em formato de show por todo o Brasil e por Portugal durante quatro anos. Em 2019, lançou o disco “Acaso Casa”, em duo com a baiana Mariene de Castro. Atualmente, se dedica à divulgação do seu mais novo lançamento, o álbum “Tudo é Amor – Almério canta Cazuza”.

    Serviço

    Lançamento do documentário “Confluências Sonoras”

    Data: 30 de março de 2022, a partir das 19h

    Plataforma a ser disponibilizada: Youtube = https://bit.ly/3Jx0PuE

    Acesso gratuito

    Ficha técnica filme Confluências Sonoras

    Idealização: Izadora Fernandes, Juliana Floriano, Mery Lemos, Renata Gamelo.

    Artistas: Almério, Flaira Ferro, Juliana Floriano, Julia Branco, Juliano Holanda, Sérgio Pererê

    Direção Musical: Juliano Holanda

    Coordenação de produção: Flávia Mafra

    Produção Executiva: Flávia Mafra, Mery Lemos (Anilina Produções), Renata Gamelo

    Design: Lucas Torres

    Captação de Recursos:  Izadora Fernandes

    Estúdios

    Belo Horizonte: Estúdio Engenho Técnico de som: André Cabelo

    Recife: Estúdio Muzak

    Técnico de Som: André Oliveira

    Som externo: Rafael Amorim

    Vídeo

    Recife

    Captação de Imagens: Jacaré Vídeo

    Direção de Fotografia: Pedro Andrade

    Câmeras: Rafael Malta, Victor Giovanni

    Iluminação: Luciana Raposo

    Técnico de iluminação (assistente): Sueides Leal (Pipia)

    Belo Horizonte

    Captação de imagens e Direção de Fotografia: Lava

    Iluminação: Flávia Mafra

    Roteiro, Tratamento de Imagens, Edição, Finalização: Rodrigo Piteco – Lava

    Edição, Mixagem e Masterização de áudio: André Cabelo

     

    Rate this post